Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3995-4325

Cegás encerrou o ano de 2017 com crescimento em todos os segmentos de distribuição de gás natural canalizado no Estado

Dados fazem parte do Relatório Anual de Administração divulgado no dia 3 de abril

A Companhia de Gás do Ceará (Cegás) encerrou o ano de 2017 com um volume médio de gás natural comercializado, incluindo o consumo termoelétrico, de 1.587.152 m³/dia, o que corresponde a um aumento nas vendas de 16,69% em relação a 2016 (1.360.162 m³/dia).

Quando excluído o consumo de gás natural pelo segmento termoelétrico, o volume médio de gás comercializado pela Cegás para todos os demais segmentos atendidos em 2017 foi de 458.872 m³/dia, o que corresponde a um aumento nas vendas de 3,19% em relação a 2016 (444.705 m³/dia).

Estes aumentos se deram em função da retomada do crescimento econômico no país e da entrada, no final do ano, da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) na carteira de clientes da Cegás.

O segmento residencial foi o que mais cresceu, apresentando um volume médio diário de gás natural comercializado em 2017 de 2.760 m³/dia, o que corresponde a um crescimento de 24,05% em relação a 2016 (2.225 m³/dia), aumentando assim o ritmo de crescimento verificado em anos anteriores, fruto da estratégia de expansão traçada pela Companhia neste segmento.

Já o segmento termoelétrico apresentou um volume médio diário de gás comercializado em 2017 de 1.128.280 m³/dia, o que corresponde a um aumento de 23,25% em relação a 2016 (915.458 m³/dia), justificada basicamente pelos despachos do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

No segmento veicular, considerando inclusive a comercialização de gás natural veicular comprimido, foi registrado um volume médio comercializado em 2017 de 184.073 m³/dia, o que corresponde a um aumento de 9,99% em relação a 2016 (167.354 m³/dia), demonstrando recuperação deste importante segmento de mercado, fruto da competitividade do gás natural frente à gasolina.

O segmento comercial apresentou um volume médio de gás natural comercializado em 2017 da ordem de 7.677 m³/dia, o que corresponde a um aumento de  4,30% em relação a 2016 (7.360 m³/dia), resultado este fruto da estratégia de expansão traçada pela Companhia neste segmento.

Em 2017, a Receita Bruta Total da Cegás foi de R$ 568,246 milhões, cerca de 14,01% superior àquela realizada em 2016 (R$ 498,423 milhões). A receita líquida gerada em 2017 alcançou o montante de R$ 441,1 milhões.

O EBITDA, indicador que desconsidera os impostos sobre o lucro, a depreciação e a amortização, além do resultado financeiro obtido pela Companhia, totalizou em 2017 o montante de R$ 75,4 milhões, o que representa um aumento de 4,61% em relação ao ano anterior (R$ 72,1 milhões).

Esse crescimento é justificado pelo aumento da margem de contribuição em decorrência da aplicação das regras tarifárias previstas no Contrato de Concessão; cobrança de penalidade contratual de falha de fornecimento aplicado ao supridor PETROBRAS, por descumprimento de contrato com a Térmica; e, política da companhia de redução de custos e despesas para minimizar os efeitos da crise.

O Lucro Líquido em 2017 foi de R$ 61,6 milhões, 0,15% maior do que aquele verificado no ano anterior (R$ 61,5 milhões), e o maior da história da Companhia, devido principalmente aos mesmos fatores que afetaram positivamente o EBITDA.

A Cegás encerrou o ano de 2017 com um saldo de Caixa total de R$ 111,2 milhões, acrescido de R$ 7,9 milhões de aplicações financeiras bloqueadas em garantia de empréstimo financeiro, mesmo após a realização de investimentos da ordem de R$ 18,7 milhões e de pagamento de dividendos aos acionistas no montante de R$ 37,6 milhões. Esses números evidenciam a solidez da situação financeira da companhia.

Em 2017, a Cegás fez investimentos da ordem de R$ 18,7 milhões, dos quais R$ 10,9 milhões foram destinados à aquisição de equipamentos e à expansão da sua malha de gasodutos, a qual passou de 437 km para 466 km de extensão ao final de 2017.

Dentre os principais investimentos, destaca-se o projeto pioneiro no Brasil de construção do gasoduto de 23 km, em poliamida, que interligou o Aterro Sanitário de Caucaia ao cliente CERBRAS. Assim, a Cegás está sendo a primeira empresa brasileira a injetar gás natural renovável em sua rede de distribuição.

Esta ação faz parte de um plano estratégico da Cegás de sustentabilidade, que iniciou com o contrato firmado para aquisição de 70.000 m³/dia de Gás Natural Renovável – GNR. Gerado a partir da purificação do biogás extraído do Aterro Sanitário Metropolitano Oeste – ASMOC, situado no Município de Caucaia-CE, o GNR tem como vantagem o aproveitamento do biogás do lixo, a redução significativa da quantidade emitida de dióxido de carbono (CO2) e de metano (CH4), gases intensificadores do efeito estufa.

Em sintonia com essa conjuntura de crescimento e visando dar maior suporte para suas operações, a Cegás contratou, em 2017, 22 novos colaboradores, selecionados com base em concurso público. Foi criado ainda o Programa Cegás de Responsabilidade Social, com o objetivo de democratizar o acesso aos recursos disponíveis para o patrocínio de ações nas áreas da cultura, educação, esportes, meio ambiente e saúde. Por meio de seleção pública, foram escolhidos 12 projetos, nos quais foram investidos R$ 520 mil.

O presidente da Cegás, Hugo Figueirêdo, disse que os resultados operacionais relatados no Relatório Anual da empresa refletem um esforço de todos os que fazem a Cegás no sentido de direcioná-la para uma trajetória de crescimento sustentável e com resultados.

 “Nossos resultados demonstram que a Cegás está no caminho certo, fazendo as mudanças necessárias para que ela cumpra a sua missão, que é distribuir gás natural de forma a contribuir com o desenvolvimento sustentável do Ceará”, disse Figueirêdo.

Click no aqui para acessar a íntegra do Relatório Anual da CEGÁS.

Fonte: Cegás – Comunicação

Related Posts