Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

Petrolíferas internacionais anunciam plano de desenvolvimento para aumentar exploração de gás em Moçambique

O consórcio de petrolíferas que vai explorar a Área 4 do mar de Moçambique anunciou que submeteu ao Governo o plano de desenvolvimento para a primeira fase do projeto Rovuma GNL que vai explorar gás nas jazidas Mamba. O plano detalha a proposta de concepção e construção de duas unidades de liquefação de gás natural que irão produzir, cada uma, 7,6 milhões de toneladas por ano. O anúncio foi feito pela italiana Eni e pela norte-americana  ExxonMobil, líderes do consórcio. O projeto Rovuma GNL  das jazidas Mamba deverá produzir 15,2 milhões de toneladas por ano. A Bacia do Rovuma está localizada em alto mar, ao largo da costa da província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, a cerca de 1500 quilómetros da capital, Maputo, junto à fronteira com a Tanzânia.

A ExxonMobil vai liderar a construção e operação das unidades de liquefação e infraestruturas associadas, em terra, enquanto que a Eni irá liderar a construção e operação das infraestruturas de extração do gás dos depósitos subterrâneos (jazidas), debaixo do fundo do mar, até à superfície, para depois ser conduzido até à fábrica. Liam Mallon, presidente da ExxonMobil Development, disse em um comunicado oficial que  “Estamos entusiasmados com o progresso do projeto Rovuma LNG, trabalhando com o Governo e aproveitando a experiência e as capacidades de todos os parceiros.” Já o vice-presidente executivo da Eni para o programa de Moçambique, Stefano Maione, afirmou que “O desenvolvimento do Projeto Rovuma LNG avança rapidamente. O tamanho do projeto faz dele um importante investimento no país e uma grande oportunidade para apoiar o crescimento económico e criar oportunidades para os moçambicanos”.

A decisão final de investimento do projeto Rovuma LNG da Área 4 está marcada para 2019. As atividades de marketing e as negociações dos acordos de compra e venda do GNL  estão em curso, com conclusão prevista para acontecer em paralelo com a finalização do processo de aprovação do plano de desenvolvimento. O projeto Rovuma  é operado pela Mozambique Rovuma Venture, uma Joint venture  formada pela  ExxonMobil, Eni e CNODC – China National Oil and Gas Exploration and Development Corporation,  que detém uma participação de 70% por cento na concessão da Área 4, cabendo três parcelas de 10% à coreana Kogas, Galp Energia e Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) de Moçambique.

 

Fonte: PetroNotícias

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Você deve ser logado postar um comentário.