Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3995-4325

Petróleo fecha em alta com possibilidade da Opep cortar produção

Após duas sessões consecutivas em queda, os preços do petróleo fecharam a terça-feira (22) em alta, depois de notícias apontarem que os países membros da Opep estão considerando aprofundar os cortes na produção da commodity, para fazer frente à queda da demanda global.

Os contratos futuros do Brent para dezembro encerraram a sessão em alta de 1,25%, a US$ 59,70 o barril, na ICE, em Londres, enquanto os preços do West Texas Intermediate (WTI) subiram 1,59%, a US$ 54,16 o barril, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex).

Membros da Opep e seus aliados vão considerar fazer reduções adicionais na produção de petróleo, quando se encontrarem em dezembro, devido às preocupações crescentes com a desaceleração da demanda de petróleo. “Parece que a Opep está confirmando que eles farão o que for preciso para apoiar o petróleo”, disse Phil Flynn, analista de mercado sênior do Price Futures Group, ao MarketWatch.

A reportagem também disse que a Arábia Saudita, membro da Opep, quer, primeiro, garantir adesão ao acordo, já que o Iraque e a Nigéria estão entre os países que não cumpriram totalmente com as reduções.

Sob o pacto de corte de produção, que começou no início deste ano e vai até março de 2020, a OPEP e seus aliados, conhecidos como Opep+, concordaram em reduzir a produção em 1,2 milhão de barris por dia.

O petróleo tem sido pressionado em meio a preocupações com a demanda pela commodity, já que as economias globais mostram sinais de desaceleração. No entanto, a esperança de que os Estados Unidos e a China possam firmar um acordo comercial forneceu um aumento modesto para os preços do petróleo.

O presidente Trump disse, na segunda (21), que as negociações comerciais sinoamericanas estavam progredindo bem, e seu principal negociador comercial, Robert Lighthizer, sugeriu que um projeto de acordo pudesse ser firmado na reunião de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, de 11 a 17 de novembro, em Santiago, no Chile.

No curto prazo, os comerciantes também aguardam novas atualizações nos estoques semanais de petróleo e produtos dos EUA. Na quarta (23), o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) divulga os dados semanais dos estoques americanos de petróleo, gasolina e destilados. A estimativa dos analistas consultados pelo “Wall Street Journal” é de alta de 2,9 milhões de barris nos estoques de petróleo bruto e de queda de 2,1 milhões de barris nos estoques de gasolina.

 

Fonte: Valor Online

Related Posts