Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

Petróleo atinge maior valor desde março com melhora nas perspectivas de longo prazo

Os contratos futuros de petróleo fecharam a segunda-feira em alta, diante do vencimento dos contratos futuros da referência americana do West Texas Intermediate (WTI) para julho.

A alta nos preços é sustentada pela melhora nas perspectivas de longo prazo da commodity, à medida que as economias globais reabrem dos bloqueios relacionados à pandemia – cenário que levou o Bank of America (BofA) a revisar positivamente sua projeção de preços para o petróleo.

Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), os contratos futuros para julho do WTI encerraram a sessão com ganhos de 1,78%, negociados a US$ 40,46 o barril. O contrato para julho expirou nesta segunda (22) e, o contrato seguinte, de agosto, encerrou a sessão em alta de 2,33%, a US$ 40,73 o barril.

Já a referência global do Brent para o mês de agosto subiu 2,10%, a US$ 43,08 o barril na ICE, em Londres. Foi o fechamento mais alto para as referências desde o início do mês de março.

Um aumento no número global de casos de covid-19, no entanto, segue no radar dos investidores, o que limita um avanço mais pronunciado do petróleo no curto prazo.

Ontem, a Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou o maior aumento diário no número de casos de covid-19 – mais de 183 mil -, enquanto a Coreia do Sul declarou hoje que está lutando contra uma “segunda onda” de infecções no país. A Alemanha também registrou um aumento nas suas taxas de infecção ao longo do fim de semana.

Nos Estados Unidos, 24 estados mostraram uma tendência crescente de casos na semana passada, com Califórnia, Texas e Flórida liderando a estatística de novos infectados, cada um com mais de 4 mil casos apenas no domingo, segundo dados agregados pela Universidade Johns Hopkins.

Mesmo com uma alta nos números de infectados, especialistas sugerem que o petróleo bruto, depois de sofrer uma queda sem precedentes em março e abril, pode estar preparado para absorver melhor novos choques, já que as economias globais têm dado alguns sinais de recuperação.

“Os fundamentos do mercado global de petróleo mudaram significativamente desde a última vez que ajustamos a previsão de preços do petróleo em 8 de março. Dada a perspectiva melhorada, elevamos nossa previsão de preços do Brent para 2020 para US$ 43,70 o barril, ante US$ 37 da projeção anterior. Também aumentamos nossa estimativa média do petróleo bruto WTI em 2020 de US$ 32 a US$ 39,70 o barril ”, escreveu o BofA Global Research em um relatório enviado a clientes.

“Assim, também aumentamos nossa previsão de preço do petróleo bruto Brent para 2021 para US$ 50, US$ 7 acima da previsão anterior e nossa previsão para 2022 para US$ 55”, escreveram os estrategistas.

Os preços do petróleo melhoraram recentemente, já que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, em um grupo conhecido como Opep +, concordaram em estender um corte global de 9,7 milhões de barris por dia até o final de julho.

“Nossa visão mais construtiva do petróleo reflete uma confiança renovada (1) na recuperação da demanda global em andamento, (2) nos danos à oferta criados por cortes profundos de investimento na indústria petrolífera e (3) no sólido acordo da Opep + para conter a produção”, escreveu o BofA.

No entanto, não está claro se a Opep e aliados como a Rússia estão dispostos a estender os cortes de produção até agosto. A Opep + disse que revisaria suas reduções de produção mensalmente.

A Rússia vê o intervalo entre US$ 40 e US$ 50 o barril como um preço justo e equilibrado do petróleo, segundo o vice-ministro da Energia Pavel Sorokin, informou a Reuters.

“A demanda continua a oferecer muita incerteza, com algumas regiões ainda vendo um aumento preocupante de casos de covid-19”, disse Robbie Fraser, analista de commodities da Schneider Electric. “Isso pode minar a confiança do consumidor e, finalmente, desafiar alguns dos ganhos de demanda que sustentaram o mercado de petróleo nos últimos dois meses”.

Com isso, os números da demanda do relatório da Administração de Informações sobre Energia (EIA, na sigla em inglês) desta semana, previsto para ser divulgado na quarta-feira, “devem estar novamente em foco”, disse ele em uma nota diária.

Fonte: Valor Online

Notícias relacionadas