Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3995-4325

Distribuidora de Gás natural brasileira está de olho no mercado de Gás da Argentina enquanto Petrobras recua

Em entrevista ao portal CPG, Rafael Lamastra, presidente da Compagas paranaense, fala sobre as perspectivas para a nova oferta e a abertura para o gás brasileiro mercado enquanto a estatal Petrobras recua.

Compagas com sede no Brasil de olho no mercado de gás natural da Argentina

Cinco distribuidoras de gás natural no centro-sul do Brasil se reúnem esta semana em antecipação a uma segunda oferta pública no início de 2021. Rafael Lamastra, presidente da Compagas paranaense, falou à Argus sobre as perspectivas para a nova oferta e a abertura para o gás brasileiro mercado enquanto a estatal Petrobras recua.

Quais são as perspectivas para a oferta pública conjunta de 2021 para contratos de fornecimento de gás natural, depois que a oferta inicial não conseguiu atrair novos fornecedores?

A primeira oferta pública conjunta de Gás Natural não foi um fracasso. Juntas, as cinco distribuidoras receberam mais de 50 propostas. Só a Compagas recebeu 10 propostas, que reduzimos a uma pequena lista de quatro empresas. Teria sido um fracasso se não tivéssemos recebido nenhuma proposta.

Muitos desses fornecedores de gás natural apresentaram propostas porque viram melhorias potenciais no ambiente regulatório, por causa dos esforços do governo (federal) para abrir o mercado e por causa do acordo da Petrobras com o (regulador antitruste) Cade. Mas os fornecedores acabaram percebendo que não mudaria muito no curto prazo e acabaram retirando suas ofertas”.

Qual foi o resultado final do leilão?

Ao final, apenas um fornecedor – a Petrobras – conquistou contratos. Dissemos ao ministro Bento (de minas e energia) e ao ministro da economia Paulo Guedes que lamentamos o fracasso dos esforços do governo para diversificar o fornecimento de gás e a Petrobras continuar a ser o ator dominante.

Por que você acredita que a licitação do próximo ano terá mais sucesso?

Esperamos ver algum progresso, mas a realidade é que não temos terminais de GNL, nossos gasodutos não têm muita capacidade excedente e o gás natural dos campos (offshore) do pré-sal ainda não está sendo entregue ao sul do Brasil.

O gás natural do pré-sal deveria ser vendido por US $ 4 / mn Btu, mas por enquanto a Petrobras compra ou produz todo o gás do pré-sal que chega ao mercado e define o preço. Mas houve algumas mudanças positivas. As novas tecnologias tornaram o GNL uma possibilidade e temos conversado com empresas interessadas em trazer gás da Argentina. A próxima oferta pública nos dará uma melhor compreensão do novo cenário de fornecimento.

E o gás boliviano?

Mesmo com o recente anúncio da Petrobras de reduzir seu contrato de fornecimento de gás com a Bolívia, estamos preocupados com a possibilidade de não haver volumes de gás suficientes.

A Compagas manteve conversações com membros do atual governo da Bolívia e é possível que parte do gás que vende atualmente para a Argentina seja redirecionado para o Brasil. Mas estamos aguardando o resultado da eleição da Bolívia (18 de outubro). Você espera que os preços do gás caiam? Sim, mas é um processo lento e depende da entrada de mais fornecedores no mercado e de regulamentações claras de acesso à infraestrutura. Quando todas as peças estiverem no lugar, os preços cairão.

Mas isso não pode ser feito por decreto. Embora muito já tenha sido feito, muitas medidas ainda precisam ser implementadas. Mas nada vai mudar durante a noite.

Fonte: Click Petróleo e Gás

Related Posts