Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Petróleo fecha em alta com previsão de maior demanda; gás natural dispara

O petróleo encerrou a sessão desta quinta-feira (14) em alta diante da previsão da AIE de aumento da demanda da commodity neste e no próximo ano.

Os preços dos contratos para dezembro do Brent, a referência global, terminaram o dia em alta de 0,98%, a US$ 84,00 por barril, na ICE, em Londres, enquanto os preços dos contratos para novembro do WTI, a referência americana, cresceram 1,08%, a US$ 81,31 por barril, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex).

Os preços dos contratos, que vinham em um rali desde a semana passada, tiveram uma interrupção nas duas últimas sessões, mas voltaram a avançar. Em relatório divulgado nesta quinta (14), a AIE disse que uma escassez aguda de gás natural e carvão decorrente da recuperação econômica global gerou uma forte alta nos preços de energia e está desencadeando uma mudança massiva para petróleo e derivados.

“A crise global de gás está se espalhando para o mercado de petróleo”, afirmou a agência, acrescentando que também há impacto nas usinas de geração de energia, produtores de fertilizantes, operações de manufatura e refinarias.

Gás natural

Em relação ao gás, porém, os estoques nos EUA tiveram crescimento abaixo do esperado na semana terminada em 8 de outubro, segundo dados divulgados pelo Departamento de Energia. Os números mostraram que os estoques de gás natural cresceram 81 bilhões de pés cúbicos no período, abaixo do aumento médio dos estoques estimados pelos analistas da S&P Global Platts, de 89 bilhões de pés cúbicos.

Com o crescimento, os estoques totais ficaram em 3,369 trilhões de pés cúbicos, 501 bilhões de pés cúbicos abaixo do registrado em igual período do ano passado e 174 bilhões de pés cúbicos abaixo da média de cinco anos, informou o governo.

Depois da divulgação dos estoques, os futuros de gás natural negociados na Nymex ampliaram os ganhos. Novembro fechou em alta de 1,7% pela terceira sessão consecutiva, a US$ 5,687 por milhão de unidades térmicas britânicas. O suporte também veio de novas previsões climáticas que indicam mais frio que o esperado em várias regiões dos Estados Unidos. No pós-mercado, novembro segue em alta de 4,20% a US$ 5,825.

 

Fonte: Valor Online

Related Posts