Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Porto do Paranaguá e CIBiogás avaliam implantação de usina biodigestora no porto

O Porto de Paranaguá firmou uma parceria com o CIBiogás para a realização de estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental com o objetivo de implantar uma usina de biodigestão de resíduos orgânicos em suas instalações.

A proposta do projeto é de que a planta seja movida com os grãos e produtos vegetais que caem da movimentação portuária. Normalmente, esses materiais desperdiçados são enviados para compostagem ou aterros sanitários.

Em entrevista ao EnergiaHoje, o Coordenador de Fiscalização e Controle de Emergências Ambientais do Porto de Paranaguá, Rafael Falco, disse que essa carga é majoritariamente composta por grãos vegetais e grãos oleaginosos, como soja, milho, além de produtos como cevada, malte e trigo.

Segundo o coordenador, o interesse nesse projeto começou em 2019, mas somente em 2020 e 2021 começaram as tratativas para analisar a viabilidade da usina.

No último mês de agosto, o Porto de Paranaguá e o CIBiogás firmaram um contrato por inexigibilidade de licitação com duração de 12 meses e estabeleceram algumas questões para dar início ao projeto.

A primeira fase do projeto in loco foi realizada no início deste mês de novembro e começou com a visita da equipe do CIBiogás no porto para conhecimento da área e para coleta dos resíduos que serão utilizados na usina.

De acordo com Falco, a proposta inicial era coletar quatro das oito amostras que seriam utilizadas na usina para análise em laboratório, no entanto, durante a visita, a equipe identificou que seria melhor levar apenas duas, pois no momento o porto estava com uma baixa oferta dos produtos que eles esperam ser o carro chefe do projeto.

A expectativa é de que com a chegada de fevereiro e março, quando o porto tiver mais movimentação, a equipe retorne até o local e colete as outras seis amostras para levar para análise laboratorial novamente.

Em entrevista, a coordenadora da área de Transferência de Conhecimento e Engenharia do CIBiogás, Daiana Gotardo, disse que atualmente o centro está avaliando o potencial dos resíduos gerados no porto e o quão interessante eles são para produção de biogás.

Segundo Gotardo, dentro do escopo do projeto serão analisados três cenários de produção para essa usina. Um cenário dedicando todo biogás para geração de energia elétrica, um cenário onde todo biogás é purificado e será utilizado como biometano, e outro com as duas aplicações, elétrica e biometano.

Além do biogás, os pesquisadores ainda vão avaliar o uso do digestato (material que passou por processo de digestão anaeróbica) como fertilizante de solo para áreas degradadas.

O centro também vai analisar toda a demanda energética do Porto do Paranaguá, seu consumo de energia, de combustível e de GLP para poder fazer comparações da quantidade de biogás e biometano que a planta conseguiria produzir para substituir uma parcela dessas aplicações.

O tamanho da usina ainda não foi definido, mas a ideia das empresas é de que essa unidade seja modular e possa aumentar sua capacidade ao longo do tempo.

Para Rafael, a iniciativa está propondo uma modificação na matriz energética do porto e a expectativa é que a energia gerada proporcione uma uma economia significativa na conta de luz da empresa e contribua para substituição da sua frota por veículos movidos a biometano.

 

Fonte: EnergiaHoje

Related Posts