Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Rio de Janeiro lança corredor sustentável para ônibus e caminhões com destino a São Paulo

Nesta sexta (24), o governo estadual do Rio de Janeiro lançou um projeto-piloto de corredor sustentável com sete postos de combustíveis adaptados para abastecer caminhões e ônibus com gás natural na Rodovia Presidente Dutra.

A iniciativa permitirá que caminhões e ônibus trafeguem entre os estados do Rio de Janeiro e São Paulo emitindo menos gases do efeito estufa e gerando menos poluição sonora, de acordo com a Secretaria de Energia e Economia do Mar, que coordena o projeto.

No corredor, os veículos são abastecidos em um terço do tempo normal. Em um posto não adaptado, um ônibus ou caminhão leva de 45 a 50 minutos para o abastecimento completo com gás natural. Já nos novos, o processo é feito em 15 minutos.

Selo Corredor Sustentável

O governador Cláudio Castro publicou o decreto nº 48.813 no Diário Oficial hoje, criando o Selo Corredor Sustentável, concedido aos postos adaptados para abastecer com combustíveis de baixo carbono.

“Trata-se de um projeto imprescindível no processo de descarbonização do setor de transportes do estado. Estamos trabalhando para o desenvolvimento sustentável, garantindo a autonomia do transporte pesado, tanto de cargas como de passageiros. A substituição do diesel pelo gás natural e biometano reduz a emissão de gases nocivos à saúde e ao meio ambiente”, disse o governador na cerimônia de inauguração.

Para conseguirem a certificação, os postos terão que fazer adaptações nas bombas, como a utilização de mangueira e bico de alta vazão, área de manobra necessária para veículos pesados, entre outros requisitos técnicos. O objetivo do programa é incluir ainda a oferta de eletrificação e de combustíveis renováveis.

Redução de 20% nas emissões

A substituição do diesel pelo gás natural representa redução de emissão de gases do efeito estufa em torno de 20%, caso seja usado gás natural. Com a inclusão de biometano na rede, a diminuição da poluição é ainda maior, já que a emissão de CO2 do biometano é praticamente nula.

De acordo com o governo do RJ, há uma redução de 52 toneladas de CO2 equivalente a cada 1.000 veículos pesados substituam o diesel por gás natural ao cruzar a Dutra. A substituição do diesel por gás natural diminui ainda em 85% a emissão de material particulado, também chamado de fuligem, poluente prejudicial à saúde que intensifica o aquecimento global.

Postos a GNV

O Rio de Janeiro é o maior produtor de gás natural do país, com cerca de 70% da produção nacional. O estado tem também a segunda maior rede de gasodutos de distribuição, que transportam o gás até o consumidor final.

De acordo com dados da Naturgy, distribuidora de gás canalizado do estado, o Rio possui a maior rede de postos com GNV do país, mais de 650, o que permite acelerar a implantação do projeto-piloto. Até o fim de 2027, a companhia projeta mais 200 novos postos. O estado tem a maior frota de veículos leves a GNV do país, com 1,7 milhões de unidades em circulação.

“Com os Corredores Sustentáveis, garantimos infraestrutura para que veículos pesados também tenham autonomia para trafegar com gás natural e incentivamos que mais empresas passem a utilizar essa alternativa mais sustentável. Nossa meta é ampliar o Programa Corredores Sustentáveis para outras rodovias interestaduais até o segundo semestre de 2024”, disse o secretário de Energia e Economia do Mar, Hugo Leal, em comunicado divulgado pelo governo.

Incentivos federais

Para a Abegás, a iniciativa é um exemplo de política pública para estimular a transição energética, ao incentivar a substituição de diesel, que pode ser replicada pelo país.

Segundo a associação, o Programa Corredores Sustentáveis se soma ao PL 4861/2023, apresentado por Hugo Leal em outubro, quando deputado federal, que propõe a criação de uma política de incentivos para estimular o uso de combustíveis com menor emissão de carbono.

“No entendimento da Abegás, é essencial que a Câmara dos Deputados coloque o Projeto de Lei Nº 4861/2023 em sua agenda prioritária”, diz em nota.

Fonte: Epbr

Related Posts