Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Visita de Macron ao Brasil selará acordo no gás que pressiona Petrobras

A viagem oficial do presidente da França, Emmanuel Macron, ao Brasil em março prevê a assinatura de um acordo de cooperação na área de estocagem de gás natural entre os dois países. O primeiro projeto resultante do acordo será uma parceria entre a Origem Energia e Engie. Para assessores do Planalto, o documento, que será assinado pelos dois presidentes, cria uma situação para a Petrobras, que resiste a ampliar a oferta do gás a preços competitivos. Também colabora em favor do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, na disputa de forças com o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates. O gás tornou-se o novo pólo de atritos entre ambos, ainda segundo assessores. Atualmente, a extração do gás natural é um problema para as petroleiras do mundo. O insumo é extraído dos campos junto com o petróleo, mas são separados e o gás é reinjetado. Isso porque ainda não há infraestrutura suficiente para que o insumo seja distribuído pelo país –o que requer investimentos bilionários.

Hoje, a Petrobras afirma que o problema do gás é a falta de demanda, que faz o preço ser elevado. Com a parceria, Silveira quer criar a demanda com os chamados Projetos de Estocagem Subterrânea. Com isso, criará um constrangimento na Petrobras, para que ela amplie a produção de gás na bacia de Sergipe, onde estará o primeiro projeto da parceria com a França. Na avaliação da pasta, essa possibilidade vai baixar preços, garantir mais insumos para a indústria e cumprir as metas ambientais internacionais de redução de emissões de carbono. Ela dará também mais segurança energética, principalmente nos períodos de seca, que levam variações de oferta e demanda. O ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, já se pronunciou publicamente sobre a ampliação da oferta de gás. Técnicos do governo afirmam que a indústria química opera com 70% de ociosidade por falta de gás. Eles também informam que a mineradora Vale já envia o minério para ser beneficiado em Omã e no golfo do México, porque o preço do gás é mais baixo do que no Brasil.

Fonte: Folha de S.Paulo / coluna Painel S.A