Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

Uso Industrial

A indústria é um ambiente totalmente adequado para o uso do gás natural, já que pode ser utilizado como combustível para fornecimento de calor, geração de eletricidade e de força motriz, como matéria-prima nos setores químico, petroquímico e de fertilizantes, e como redutor siderúrgico na fabricação de aço.

Cogeração

Cogeração é a geração de energia térmica e elétrica simultaneamente a partir de um combustível fóssil. Através da queima de um combustível, um gerador é acionado produzindo energia elétrica, aproveitando-se o calor gerado pela combustão no processo. O objetivo é gerar economia na área de utilidades: água, vapor, energia elétrica, calor, ar comprimido etc.

Quais as vantagens da cogeração de energia?
•    Vantagem competitiva pela utilização do gás natural
•    Utilização de tecnologia de ponta (motores e turbinas)
•    Menor nível de emissão de poluentes comparado com a geração termelétrica centralizada
•    Aproveitamento de 70% a 85% da energia da queima do GN (alto rendimento – sem desperdícios)
•    Autonomia na produção das suas utilidades (vapor, água quente, frio, etc…)
•    Aumento da confiabilidade de suprimento de energia elétrica e térmica (garantia contra o “apagão”)
•    Valor agregado devido às oportunidades de negócios geradas (venda de excedente)

Matéria-Prima

O gás destinado à comercialização é alimentado nas unidades de processamento de gás natural (UPGN), onde é submetido às seguintes etapas de processamento, para separação das frações mais pesadas. Estas frações podem ser utilizadas como fonte de energia e como matéria-prima para obtenção de produtos químicos. A utilidade como combustível representa a principal aplicação do gás natural, como uso residencial, comercial, industrial, veicular e termelétrico.

Um polo gás químico oferece importantes vantagens em relação a uma unidade petroquímica que utiliza a nafta. Havendo gás em abundância, a matéria prima torna-se, em geral, mais econômica. Além do mais, a planta em si tende a ser mais eficiente e mais limpa do ponto de vista ambiental. Contudo, a grande vantagem mesmo é que um polo gás-químico concentra a sua produção em polietileno. Os mercados de resinas plásticas apresentam, em geral, grandes taxas de crescimento de consumo em todo mundo, demandando grandes quantidades de polietileno. Uma planta petroquímica gera uma série de produtos secundários, normalmente de alto valor agregado, mas cujas taxas de expansão podem não ser igualmente fortes. Na ausência de mercados maduros para esses produtos secundário, um polo gás-químico pode obter uma grande vantagem competitiva.