Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

GNV cresce no PR após altas no preço da gasolina, mas carros ainda rodam irregulares

Dados da Compagas mostram que houve um aumento de 25% no volume de gás natural veicular (GNV) distribuído aos postos atendidos pela companhia no último mês de setembro em comparação com o mesmo período em 2020. O combustível é mais barato, mais eficiente e mais econômico do que o etanol e a gasolina, mas para ser utilizado é preciso um investimento alto na conversão do veículo. A busca pela economia, porém, tem feito com que mais da metade da frota paranaense de veículos a gás esteja rodando de forma irregular no estado.

A Associação Paranaense dos Organismos de Inspeção Veicular (APOIA), em um levantamento feito junto ao Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), chegou a um índice preocupante. De acordo com a associação, 55% dos mais de 37,5 mil veículos convertidos para rodarem com GNV no Paraná não passam pelas revisões periódicas necessárias para garantir a segurança dos ocupantes destes carros e utilitários.

Os números da APOIA mostram que cerca de 20,6 mil veículos estão com o chamado bloqueio administrativo frente ao Detran-PR. Isso porque não se submeteram às vistorias periódicas para que o veículo esteja regularizado – veja mais abaixo. Em um primeiro momento, este bloqueio pode até não trazer grandes dores de cabeça para o proprietário do veículo. Porém, em caso de venda do automóvel, se este estiver bloqueado, não é feita a transferência de titularidade – o que pode fazer com que o dono antigo ainda tenha que arcar com todos os custos do veículo, como as multas de trânsito cometidas pelo novo dono, mesmo depois da venda.

Riscos e benefícios do GNV

“O uso do GNV apresenta alguns riscos no momento do abastecimento por ser um combustível que é trabalhado em grandes pressões nesse momento. Quando a instalação do kit é feita de forma precária, feita fora das oficinas homologadas pelo Inmetro, não há uma supervisão nesse procedimento da instalação”, explicou Everton Pedroso, presidente da APOIA e da Federação Nacional da Inspeção Veicular (Fenive).

O preço médio do GNV no Paraná no fim de outubro, segundo dados da ANP, ficou em R$ 4,34 por metro cúbico – por ser um gás, o combustível não é vendido por litro. Com essa quantia, um veículo chega a rodar cerca de 14 quilômetros. É bem mais barato do que a gasolina, que também de acordo com a ANP custou, em média, R$ 6,32 por litro no Paraná no fim do mês passado.

O custo de conversão de um veículo para rodar com GNV não é baixo, pode facilmente passar dos R$ 4 mil. Após a instalação do kit – que conta com o cilindro de armazenamento do gás e das linhas de alta e baixa pressão, além de outros componentes – o proprietário precisa levar o veículo para uma inspeção que vai validar a conversão junto ao Detran, o que pode ficar entre R$ 450 e R$ 500.

Feita a validação, é preciso fazer uma inspeção dos componentes. A cada cinco anos o cilindro de gás passa por uma requalificação, para garantir que ainda mantém as condições de armazenamento do combustível. Outros componentes precisam ser checados anualmente, o que custa ao proprietário um valor aproximado entre R$ 300 e R$ 350. O investimento, explica Pedroso, garante que o condutor rode em condições de segurança e também traz benefícios, como o desconto no IPVA.

“Há muitos casos de instalações feitas em desacordo com as normas, com aquele ‘amigo’ que já trabalhou em uma oficina, aquela pessoa que não trabalha com isso e não está preparada, mas se diz competente para tanto. E que cobra mais barato. Aí é que mora o risco. Não há cuidado com as normas na instalação, e por isso não se faz a inspeção. Mas a regularização é sempre o caminho mais indicado, além da segurança, por ser também um incentivo na forma de desconto no valor do IPVA, que cai de 3,5% para 1% do valor do veículo. É 70% de desconto neste imposto, vale a pena”, comentou.

 

Fonte: Tribuna do Paraná / Gazeta do Povo

Related Posts