Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3995-4325

Petróleo fecha em alta, impulsionado por indicadores econômicos dos EUA

Os preços do petróleo ganharam impulso após a divulgação dos índices de gerentes de compras (PMIs, na sigla em inglês) dos Estados Unidos e encerraram a segunda-feira (03) com ganhos.

Na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex), o contrato futuro da referência americana do West Texas Intermediate (WTI) para o mês de setembro terminou a sessão em alta de 1,84%, a US$ 41,01 o barril. Já os preços do Brent, a referência global, para entrega no mês de outubro fecharam em alta de 1,44%, a US$ 44,15 o barril, na ICE, em Londres.

O Instituto para Gestão da Oferta divulgou, hoje, que o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial subiu para 54,2 pontos em julho, avançando em relação aos 52,6 pontos da leitura anterior, de junho. A leitura superou a expectativa dos analistas consultados pelo “Wall Street Journal”, de 53,6 pontos, no período, e indica o terceiro mês

consecutivo de expansão do setor, após uma contração em abril.

O PMI industrial da Markit, por sua vez, subiu para 50,9 pontos em julho, de 49,8 em junho, mostrando expansão do setor pela primeira vez desde o colapso da atividade industrial causado pela pandemia de covid-19 em março.

A perspectiva de recuperação na manufatura americana deu tração aos preços da commodity, que ganharam força a partir da divulgação do indicador.

Outro dado bem recebido pelos investidores foi a desaceleração no número de novas infecções de covid-19 nos EUA. O país reportou pouco mais de 47 mil novos casos de coronavírus no domingo, o menor aumento diário em quase quatro semanas, após um número recorde de novas infecções no mês de julho.

Entretanto, os profissionais do mercado de petróleo seguem monitorando a possibilidade de uma alta na oferta da commodity nos próximos meses.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, um grupo conhecido como Opep +, concordou no início de julho em relaxar as restrições de produção a partir do mês de agosto. Houve acerto entre os membros do grupo para diminuir a restrição de oferta vigente, de 9,7 milhões de barris por dia que vigora desde maio, para 7,7 milhões de barris por a partir de agosto e até o fim do ano.

“Os investidores estão preocupados com o fato de o aumento da produção reverter a recente recuperação de preços do petróleo, especialmente porque os casos de coronavírus continuam a aumentar em todo o mundo e a demanda por energia permanece reduzida”, disse Mihir Kapadia, executivo-chefe da Sun Global Investments, em nota.

 

Fonte: Valor Online

Related Posts