Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

GLP não está caro em relação às alternativas, diz presidente do Sindigás

O presidente do Sindigás, Sergio Bandeira de Mello, diz acreditar que o preço do GLP (gás liquefeito de petróleo), popularmente chamado de gás de cozinha, não está caro em relação às opções energéticas disponíveis no mercado. Mello deu entrevista ao Poder360 para debater o mercado nacional de gás.

“Quando comparamos para ver se o GLP está caro em relação às alternativas que eu e você temos na nossa residência, na nossa industria ou comércio, na verdade ele não está caro”, afirmou Mello.

Segundo ele, quando a pauta é se uma energia está cara ou barata, é necessário “sempre relativizar“. “Ou seja, temos que comparar essa energia com a alternativa. O que vemos é que o gás natural subiu muito, o diesel subiu muito, a gasolina subiu muito, a energia elétrica também, e o GLP também subiu muito”.

Para Mello, o GLP continua uma alternativa “altamente competitiva” para as indústrias, comércios e residências.

“O GLP ficou no mesmo mundo das commodities. Ou seja, com o reaquecimento da economia no hemisfério norte, principalmente na Ásia, tem carne subindo de preço, soja, milho, petróleo subindo e derivados de petróleo, como o GLP”, disse.

Em junho de 2021, o preço médio nacional do gás de cozinha foi de R$ 83,17, segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). Apesar disso, há 5 estados no país com o preço do botijão de 13 kg (quilogramas) superior a R$ 100.

“O comportamento dos preços é indesejável porque efetivamente, com nossa inflação doméstica, acabam sentindo [o preço do botijão] muito forte. Mas é um fenômeno que está acontecendo de forma geral. Não tem nada de absolutamente anormal“, disse Mello.

Vale-gás

O vale-gás entrou em debate recentemente após a criação da tarifa no Estado de São Paulo e com declarações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que a Petrobras teria R$ 3 bilhões para a ação.

Desde o início da pandemia, pelo menos 9 PLs (projetos de lei) que criam um vale-gás para a população foram apresentados no Congresso Nacional.

Segundo Mello, as propostas são satisfatórias, desde que estejam totalmente focadas na compra do GLP e não atinjam famílias que não precisam de uma ajuda social.

“Existem programas muito bons, como o indiano e o peruano, em que o que se faz é a focalização da faixa de renda que será afetada. Cria-se um tipo de cartão ou sistema por celular em que a família recebe um crédito mensal, bimestral ou trimestral e usa os valores somente quando vai comprar o GLP. Ficam com o saldo positivo acumulado dos últimos 2 ou 3 meses“, disse.

O Poder360 apurou que políticos do Centrão, Arthur Lira à frente, pressionam o Planalto para que um programa de vale-gás venha logo.

“Vemos com bons olhos propostas no congresso. O que será desses projetos será um combinação do que o Congresso quer com o que Executivo pode realizar. Pode ser que o debate avance bastante nesta fase porque a pandemia tornou a situação mais caricata do que era”, afirmou Mello.

 

Fonte: Poder 360

Related Posts