Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Eneva estuda terminal de GNL em São Luís

A Eneva pretende construir um terminal de importação de gás natural liquefeito (GNL) em São Luís (MA). A companhia fechou acordo com a Servtec, para aprofundar os estudos e desenvolver em conjunto o projeto. O empreendimento permitirá reforçar o suprimento ao Complexo Parnaíba, abrindo espaço para a renovação dos contratos de longo prazo das termelétricas existentes. Além disso, o plano da empresa é viabilizar novas usinas e o fornecimento de gás a clientes industriais na região.

Ao todo, a Eneva estima que São Luís tem uma demanda potencial, no segmento não termelétrico, de 1,5 milhão de m³/dia. A capital maranhense abriga indústrias como o complexo de produção de alumínio do Consórcio Alumar, controlado pela Alcoa, e uma usina de pelotização de ferro da Vale, por exemplo.

O diretor de marketing, comercialização e novos negócios da Eneva, Marcelo Lopes, conta que a empresa já tem “conversas avançadas” com potenciais consumidores.

Segundo ele, o terminal de GNL contribuirá também, no futuro, para reforçar o abastecimento ao Complexo Parnaíba. A empresa opera, hoje, quatro termelétricas no local, com capacidade instalada total de 1,9 GW, e está construindo mais duas usinas que somam 500 MW.

O parque de geração da companhia consome, atualmente, o gás produzido pela empresa, mas a ideia é diversificar a fonte de suprimento. A Eneva tem reservas certificadas da ordem de 25 bilhões de m³ na Bacia do Parnaíba. Lopes afirma que o volume é suficiente para atender os compromissos com as termelétricas existentes. A empresa, no entanto, tem a intenção de renovar os contratos das usinas que vencem a partir de 2027 e, para isso, precisará buscar gás adicional.

“Esse projeto [do terminal de GNL] está muito alinhado com uma estratégia de garantir uma continuidade do ativo do Parnaíba”, afirma. “O terminal também abre opções para leilões [de energia] futuros”, completou o executivo, em referência à possibilidade de a empresa não só renovar os contratos das usinas do complexo no Maranhão, como construir novas térmicas no Estado.

Lopes diz que, pelas regras dos leilões de energia, a companhia precisa sempre demonstrar, na hora do cadastro, que possui volumes de gás suficientes para abastecer as usinas, a despacho pleno, por oito anos. “Nem sempre é simples casar as descobertas [de novas reservas de gás] com as datas de leilões.

A ideia, portanto, é mesclar a importação de GNL com futuras descobertas e, assim, aumentar a flexibilidade na gestão do portfólio. Segundo o executivo, a companhia pretende manter ativos os investimentos em exploração, em busca de mais gás. No futuro, a ideia é construir um gasoduto interligando o terminal ao complexo Parnaíba – distante cerca de 300 quilômetros de São Luís.

Questionado se o projeto do terminal de GNL está associado à perspectiva de aceleração do consumo das reservas de gás do Parnaíba durante a crise hídrica, Lopes disse que o complexo deve registrar recorde de despacho em 2021, mas que os planos da companhia olham para a tendência de mais longo prazo. “Cada vez mais precisaremos de termelétricas para estabilizar o sistema [elétrico]. Isso, sem dúvida, pesou [na estruturação do projeto do novo terminal], mas o despacho mais alto este ano, de forma conjuntural, não.”

A ideia da Eneva é que o terminal do Maranhão funcione como uma espécie de hub de gás natural no Estado, a exemplo do que a empresa pretende fazer também na planta de regaseificação em desenvolvimento em Macaé (RJ).

Pelo acordo firmado, a Eneva terá 51% de participação na futura joint venture do terminal de São Luís; a Servtec os demais 49%. Lopes conta que as empresas estão, nesse momento, definindo os detalhes do projeto. A decisão final de investimento pode acontecer ainda em dezembro, a depender dos resultados do leilão de energia. Isso porque a Servtec já vinha trabalhando num projeto termelétrico em São Luís e tem planos de participar da licitação.

Segundo o diretor da Eneva, caso a parceira não tenha sucesso no leilão, a ideia é buscar, ao longo de 2022, viabilizar o terminal com base na captura de clientes industriais e na demanda do Complexo do Parnaíba – que consome 8 milhões de m3/dia e serviria como um cliente âncora para a planta de regaseificação.

O terminal está sendo concebido para ter capacidade para 14 milhões de m3/dia, mas o escopo final ainda não foi definido. Ainda não há, também, um prazo para início da construção do empreendimento.

Fonte: Valor Econômico

Related Posts