Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Acordos de gás reforçados com opções de compra e venda

Gas agreements bolstered with put, call options

O mercado de gás natural do Brasil começou a usar opções de compra e venda nos contratos de fornecimento para garantir fluxo para os produtores de gás associado ao petróleo e reforçar as opções comerciais para ambos os lados do negócio.

As opções de venda dão aos seus titulares o direito de vender, enquanto a contraparte tem o dever de comprar. As puts podem ajudar a reduzir as reinjeções de gás nos poços, garantindo um fluxo constante de gás ao encontrar um comprador e manter a produção de petróleo associada.

As opções de compra, por sua vez, invertem os papéis e atendem os consumidores que tratam de outros contratos flexíveis ou quando as opções de venda não são exercidas por suas contrapartes. Esses modelos de contratos de fornecimento de gás surgiram no Brasil durante o segundo trimestre de 2022.

A portuguesa Galp, por exemplo, adicionou uma opção de venda ao seu acordo com as distribuidoras locais Bahiagas, Gasmig e Sergas, da Bahia, Minas Gerais e Sergipe, respectivamente. A Petrogal, joint venture formada pela Galp e a petrolífera chinesa Sinopec, é a terceira maior produtora de gás do Brasil. Produziu 3,8 milhões de m³/d em julho, segundo a agência reguladora de petróleo e gás ANP.

O primeiro lote de contratos de fornecimento de gás de 2022 assinado no Brasil não incluía opções de venda e estava mais próximo do antigo modelo de contrato da estatal Petrobras, em que não havia opções ou flexibilidade nos contratos. Naquela época, consumidores e produtores lidavam com essas inseguranças adicionando cláusulas de take-or-pay e multas mais altas por ultrapassagem.

As cláusulas de opção de venda nos contratos dos distribuidores vêm com um desconto de 2 a 2,55 pontos percentuais em relação ao preço indexado do petróleo Brent para o gás estável, dependendo da duração do contrato e do ano em que a opção será atingida. Em um contrato de fornecimento de gás em que o consumo constante de gás para 2022 custa 14pc do preço do petróleo Brent, a opção de venda custa 11,6pc.

Os altos volumes comprados em opções de venda pelas distribuidoras são preocupantes e podem gerar transtornos entre os consumidores que não estão acostumados a esse instrumento, disse um grande produtor de gás à Argus. O contrato da Galp com a Sergas foi assinado com volumes firmes de gás de 40.000 m³/d para 2022, enquanto os volumes de opção de venda podem atingir os 150.000 m³/d.

Encontrar contratos de opção de compra suficientes para apoiar as opções de venda oferecidas pelos produtores de gás também é um ponto de preocupação para os produtores de gás em um mercado ilíquido. As opções de compra que estão sendo negociadas têm preços “consideravelmente mais altos” do que os volumes firmes de gás e têm uma taxa de stand-by adicionada, semelhante a uma taxa de infraestrutura ou taxa de capacidade, disse outro produtor de gás à Argus.

Produtores com alta capacidade de armazenamento podem prosperar nesse mercado, pois são capazes de assinar opções de compra e venda em um estágio inicial. Cláusulas de opção de venda ou compra podem ser positivas e trazer novas possibilidades para a mesa, disseram alguns participantes do mercado à Argus, mas ainda não têm certeza de usar essas ferramentas em um mercado muito ilíquido.

Alguns consumidores sentem que precisariam lidar com os volumes de gás de opção de venda com contratos mais flexíveis, o que poderia permitir que eles reduzissem as retiradas diárias de volume de gás. Alguns distribuidores de gás, por outro lado, temem ser um fornecedor de gás “backup”, o que pode levar a uma queda na receita.

 

Fonte: Argus Media

Related Posts