Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Agência Internacional de Energia prevê crescimento na demanda por gás natural neste ano

crescimento da demanda mundial de gás deverá acelerar em 2024 devido às temperaturas mais frias do inverno e à descida dos preços, com as economias emergentes a liderarem o aumento do consumo. No entanto, os riscos geopolíticos e as preocupações do lado da oferta poderão desencadear uma nova volatilidade dos preços. As previsões fazem parte do mais recente relatório divulgado pela AIE. Em 2024, prevê-se que a procura global de gás cresça 2,5%, ou 100 bilhões de metros cúbicos (bcm). O clima mais frio esperado no inverno em 2024, em comparação com as temperaturas amenas registadas em 2023, deverá trazer uma procura crescente de aquecimento ambiente nos setores residenciais e comerciais. Os preços do gás natural caíram acentuadamente após os máximos históricos registados em 2022, o que também apoia a recuperação da procura de gás. Embora os preços permaneçam bem acima das médias históricas, a procura nos sectores industriais sensíveis aos preços registará um regresso ao crescimento, de acordo com o relatório. Na produção de energia, prevê-se que a utilização de gás aumente apenas marginalmente, uma vez que se prevê que o maior consumo de gás na região Ásia-Pacífico, na América do Norte e no Médio Oriente seja parcialmente compensado pela redução da procura na Europa.

Em 2023, a procura mundial de gás aumentou apenas 0,5%, uma vez que o crescimento na China, na América do Norte e nos países ricos em gás em África e no Médio Oriente foi parcialmente compensado por declínios noutras regiões. À medida que as restrições pandêmicas foram afrouxadas e a atividade econômica regressou, a China recuperou a sua posição como o maior importador mundial de GNL (embora as importações de GNL da China em 2023 ainda estivessem abaixo dos níveis de 2021), à medida que a procura de gás natural cresceu 7%. Em contrapartida, o consumo de gás natural na Europa caiu 7%, atingindo o seu nível mais baixo desde 1995. Esse declínio foi agravado pela rápida expansão das energias renováveis e por uma maior disponibilidade de energia nuclear que pesou sobre a procura de gás natural tanto na Europa como nos mercados maduros da Ásia, reduzindo os preços. Do lado da oferta, a disponibilidade de gás permaneceu relativamente restrita em 2023, uma vez que o aumento da produção global de GNL ficou aquém das expectativas. Como tal, o crescimento da produção não foi suficiente para compensar o declínio contínuo das entregas de gás canalizado russo para a Europa. O crescimento da oferta também foi altamente concentrado geograficamente, com os Estados Unidos a tornarem-se o maior exportador mundial de GNL, respondendo por 80% da oferta adicional de GNL em 2023.

Com a previsão de que a oferta será novamente restrita em 2024, espera-se que um aumento limitado na produção global de GNL restrinja o crescimento da procura, nomeadamente na Europa e nos mercados maduros da Ásia. Espera-se que o fornecimento de GNL cresça 3,5% este ano – bem abaixo da taxa de crescimento de 8% registada entre 2016-20 – uma vez que atrasos em novas fábricas de liquefação e questões relacionadas com a disponibilidade de gás de alimentação em projectos existentes poderão atrasar o crescimento do fornecimento até 2025. Crescente a procura e a oferta limitada podem contribuir significativamente para as flutuações de preços ao longo do ano. “O mercado global do gás está entrando num novo período à medida que o mundo emerge gradualmente de uma crise energética que teve impactos profundos tanto no lado da oferta como na procura”, disse Keisuke Sadamori, Diretor de Mercados Energéticos e Segurança da AIE. “Esperamos ver um crescimento sólido na procura global de gás este ano, uma vez que os preços desceram para níveis relativamente administráveis. Mas a velocidade com que esta nova procura possa ser satisfeita será crítica, especialmente porque a oferta é escassa e uma nova capacidade substancial de GNL só estará operacional depois de 2024”, completou.

As incertezas geopolíticas são o maior fator de risco para os mercados globais de gás em 2024, de acordo com o relatório. A invasão da Ucrânia pela Rússia, o aumento das tensões no Oriente Médio e as preocupações sobre a interferência deliberada em infraestruturas críticas, como os oleodutos, têm o potencial de gerar ainda mais volatilidade. Em 2023, foram introduzidas medidas políticas e novos regulamentos nos principais mercados de importação, com foco na acessibilidade e na segurança do abastecimento. A União Europeia lançou o seu mecanismo conjunto de compra de gás; O Japão iniciou o seu buffer estratégico de GNL antes da temporada de inverno de 2023/24; e a China está a formular a sua Política de Utilização de Gás Natural, estabelecendo os princípios orientadores para um “crescimento ordenado da procura de gás natural” nos próximos anos.

Fonte: PetroNotícias

Related Posts