Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3995-4325

Produção da Petrobras se mantém praticamente estável em novembro

A produção total de petróleo da Petrobras no Brasil se manteve praticamente estável em novembro, quando foram produzidos 1,957 milhão de barris/dia, volume 0,6% abaixo do que os 1,969 milhão de barris diários extraídos em igual mês de 2012. Na comparação com outubro, o resultado também apresentou ligeira queda, de 0,15%.

De acordo com a Petrobras, o desempenho foi impactado positivamente pelo novo recorde mensal (339,1 mil barris/dia) e diário (362,3 mil barris/dia) de produção no pré-sal. Também contribuíram para o resultado o início da operação da plataforma P-63 no campo de Papa-Terra, na Bacia de Campos, e a entrada em operação de novos poços interligados às plataformas P-26, em Marlim, e P-53, Marlim Leste. Em novembro, destacou-se, ainda, o TLD de Lula Extremo Sul, no pré-sal da Bacia de Santos, por meio do FPSO-Cidade de São Vicente.

No sentido contrário, como parte das ações visando à elevação da eficiência operacional na Bacia de Campos, a companhia realizou, ao longo do mês, paradas programadas para manutenção nas plataformas do Polo Nordeste, FPSO-Cidade de Anchieta e P-53.

Queda também na produção de gás

Já o volume de gás natural produzido pela companhia no país caiu 1,4%, para 61,296 milhões m³/d, frente aos 62,179 milhões m³/d produzidos em novembro de 2012. Já na comparação com outubro, o resultado foi 8,34% superior.

Segundo a Petrobras, contribuíram para o aumento da produção de gás o fim das paradas programadas das plataformas de Merluza e Mexilhão, na Bacia de Santos, e a interligação do Módulo de Operação de Pigs-1 (MOP-1), no Espírito Santo, uma plataforma que tem como objetivo a limpeza e inspeção interna de dutos.

Também em novembro, a Unidade de Operações de Exploração e Produção na Amazônia bateu o recorde na entrega de gás, atingindo o volume de 4,232 milhões m³/d. Foi a primeira vez que o índice atingiu patamares superiores a quatro milhões m³/d, impulsionado, principalmente, pelo aumento da demanda de gás nas termoelétricas da região.

 
Fonte: Energia Hoje

Related Posts