Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

Economia para quem roda com GNV chega a 65% em relação ao etanol, revela estudo da Abegás

Santa Catarina passa a ter GNV mais competitivo do País, seguido do Rio de Janeiro e Espírito Santo

A economia para quem usa Gás Natural Veicular (GNV), na, é igual ou superior a 50% em 12 dos 18 estados brasileiros que comparação com o etanol compõem estudo de competitividade realizado pela Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás). A análise foi realizada na primeira semana de junho.

Santa Catarina é a unidade de federação em que há maior economia na comparação. O GNV chega a ser 65% mais competitivo frente ao etanol e 55% ante a gasolina. Quem abastece com GNV em postos catarinenses e roda 2.500 quilômetros mensais pode economizar R$ 451 frente a gasolina e R$ 680 frente o etanol, segundo metodologia da Abegás que calcula o rendimento de cada combustível a partir da média de preços divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Outros dois estados – Rio de Janeiro e Espírito Santo – também registraram economia no patamar dos 60% na comparação com o etanol. Bahia (Nordeste) e Mato Grosso do Sul (Centro-Oeste) são os estados em que o GNV é mais competitivo em suas regiões. Em São Paulo, o percentual de economia do GNV vai de 49% (ante o etanol) a 50% (ante a gasolina).

Também integram o estudo os seguintes estados: Alagoas, Amazonas, Ceará, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Sergipe.

“O consumo de GNV vem subindo no País, independentemente de variações /e sazonalidades no preço dos combustíveis líquidos. Seu crescimento no primeiro trimestre deste ano, nos dados acumulados, foi de 10,3% em relação ao mesmo período de 2016. O consumidor vem percebendo que a economia do GNV é consistente e isso tem reflexo no aumento do número de conversões, inclusive em veículos de passeio”, afirma Augusto Salomon, presidente executivo da Abegás.

“O GNV, com os devidos estímulos, pode ser uma alternativa ainda mais atraente para os motoristas e até mesmo para o transporte público nos municípios, não só pela economia, mas pelo aspecto ambiental, contribuindo para a melhoria da qualidade do ar nas cidades”, completa Salomon.

Metodologia do estudo

Para calcular as porcentagens de economia do GNV em relação a cada combustível, o estudo da Abegás utiliza dados divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). A apuração levou em conta a média de preços apurados em cada estado na primeira semana de junho de 2017.

Como referência para estimar a performance com cada combustível, a Abegás utiliza o Fiat Siena, veículo que traz em seu manual de fábrica o consumo médio com os três combustíveis. No Fiat Siena, com um metro cúbico de GNV, é possível percorrer em média 13,2 quilômetros enquanto com um litro de gasolina o carro anda 10,7 quilômetros e com a mesma quantidade de etanol, apenas 7,5 quilômetros.

A estimativa de economia mensal é medida com base em veículos que rodem 2.500 quilômetros por mês, usando o GNV em substituição à gasolina e ao etanol.

 

Fonte: Comunicação ABEGÁS

 

Notícias relacionadas