Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

MS e Bolívia assinam acordo para o fornecimento de gás natural e ureia para o Estado

A Bolívia também manifestou interesse na Chamada Pública Coordenada que vem sendo realizada por cinco distribuidoras do País, entre elas a MSGÁS.

Mato Grosso do Sul e Bolívia deram mais um passo rumo aos acordos que irão garantir o fornecimento de gás natural e outras fontes de energia para o estado. O Governo, por meio da Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul (MSGÁS), e a Bolívia assinaram na manhã desta quarta-feira (19.12), os termos de acordo para o suprimento de gás natural para MS e para a Termoelétrica da Fronteira e, ainda, o fornecimento de ureia para Mato Grosso do Sul. A solenidade de assinatura aconteceu em Santa Cruz de La Sierra e contou com a presença do presidente daquele país, Evo Morales.

De acordo com o diretor-presidente da MSGÁS, Rudel Trindade, que representa o Estado e realiza as negociações com o país vizinho, a assinatura dos termos representa a garantia do fornecimento de diferentes fontes de energia para MS e ainda demonstra a forte ligação com a Bolívia, que estreitou nos últimos anos. “A presença do presidente Evo Morales por si já mostra o forte elo que temos com a Bolívia e a importância do nosso mercado para eles. Essa boa relação deve-se ao trabalho do Governo nos últimos quatro anos, que pretende executar outros projetos estratégicos com a Bolívia”, explanou.

Com a assinatura dos acordos, a Termofronteira tem garantidos o suprimento de gás natural e a sociedade com a Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), estatal petrolífera boliviana, que entrará também na realização do projeto, localizado em Ladário. O acorde prevê o fornecimento de 1,2 milhão de m³/dia, com capacidade de ampliação para 2,5 milhões de m³/dia, por 25 anos, a partir do ano de 2025.

Para o diretor de Novos Negócios da Global Participações em Energia (GPE), Valfredo Ribeiro, o acordo abre um novo cenário de alento para a implantação do projeto, além de garantir a participação no leilão de energia em 2019, em condições bastante competitivas. “Esse memorando de entendimentos sinaliza uma parceria entre a YPFB para implantação da térmica UTE Fronteira. A partir dele, a YPFB assume o compromisso de fornecer gás para o projeto e em contrapartida passa a fazer parte dos investimentos, ou seja, deve ser também uma sócia. Tudo isso nos dá um novo cenário e praticamente garante nossa participação no leilão de energia em 2019, que acontecerá no final do primeiro semestre. Daí sim, esse projeto que trará investimentos significativos para a região da fronteira entre Brasil e Bolívia, começará a virar realidade”, pontuou.

Outro acordo realizado entre os dois países foi a exportação de ureia para o Brasil. Com o memorando fica garantida a compra de ureia de 2019 a 2028, no volume total de 1.150.000 toneladas. Em contrapartida a empresa Hinove Agrociencia irá fornecer tecnologia para melhorar a qualidade da ureia da YPFB. “Com essa parceria iremos garantir um ganho de U$ 10 a mais para as duas empresas”, acrescentou o diretor da Hinove, Renato Benatti.

Garantia para Chamada Pública Coordenada

O encontro de hoje também deu continuidade às negociações para o suprimento de gás natural para as distribuidoras da região centro-sul do Brasil – MSGÁS, SCGÁS, SUL, Compagás e Gás Brasiliano – que atualmente realizam uma Chamada Pública Coordenada para o Suprimento de Gás. O acordo estabeleceu um marco geral de cooperação para o desenvolvimento de estudos e o intercâmbio de informações a fim de que a YPFB participe do processo.

Segundo o presidente da MSGÁS, está previsto para o meio de janeiro uma reunião com os presidentes das concessionárias participantes do processo. “Eles consideram muito o mercado brasileiro e tem todo interesse em participar dessa Chamada Pública, que trata de um consumo de volume gigantesco, de 10 milhões m3/ dia de gás natural”, finalizou.

Participaram do evento o ministro de Hidrocarburos, Luis Alberto Sánchez, o presidente da YPFB, Óscar Barriga e outras autoridades.

 

Fonte: MSGÁS / Comunicação

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta