Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

Queda de preços do GNL beneficia diretamente o Brasil

Preços mais competitivos dão poder de barganha maior diante da renegociação do contrato de importação da Bolívia

A nova projeção de preços do GNL pode beneficiar o Brasil. Isto porque o país deve manter elevados os níveis de compras do combustível frente a um quadro de menor disponibilidade do gás proveniente da Bolívia e a uma eventual repetição de um cenário hidrológico adverso, como ocorreu no ano passado, obrigando o despacho de termelétricas para dar conta da demanda de energia. A afirmação é do diretor analista de Gás e GNL para América Latina do escritório Wood Mackenzie, Mauro Chavez.

O executivo explicou à Brasil Energia que o contexto mundial de queda nos preços do produto vendido no mercado spot da Ásia poderá fazer com que o combustível aporte nos terminais brasileiros a um valor entre US$ 6 a US$ por milhão de BTU, bem abaixo dos valores de setembro, quando o país importou gás liquefeito a US$ 11/milhão de BTU. No total de 2018, o país importou 2 milhões de toneladas do produto.

Para os próximos anos, devem entrar em operação as termelétricas Porto de Sergipe e as usinas do Porto do Açu – GNA I e GNA II – que demandarão mais gás liquefeito e ajudarão a manter os preços baixos.

Além disso, os valores mais baixos do gás liquefeito darão maior poder de barganha às distribuidoras na renegociação de contratos de compra com a Petrobras e ao país na renovação do contrato de importação da Bolívia.

Relatório da Wood Mackenzie divulgado ontem apontou que os preços do GNL no mercado spot asiático devem chegar a US$ 8,50 por milhão de BTU, com o esfriamento da demanda por parte da China e fazendo com que alguns países da Europa absorvam a grande oferta disponível.

A expectativa é que a entrada em operação dos novos projetos de liquefação em 2019 adicionem mais 60 milhões de toneladas por ano (mmtpa) de GNL ao mercado internacional. Em 2018, diz o estudo, foram adicionados 21 mmtpa e, em 2025, 45 mmtpa.

 

Fonte: Brasil Energia

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Você deve ser logado postar um comentário.