Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3995-4325

Crianças da rede pública de Fortaleza visitam exposição no Espaço CEGÁS de Cultura

O Espaço CEGÁS de Cultura foi ocupado na terça-feira (03) com a alegria e a curiosidade de 100 crianças da Escola Municipal Moreira da Rocha. Eles vieram conhecer e apreciar as obras da Exposição Mórulas, do artista plástico Marcos Oriá, que está aberta para visitação pública até o dia 3 de outubro.

No processo de formação de um bebê, a fase mórula é o primeiro estágio da embriogênese e ocorre entre o terceiro e o quarto dia após a fecundação, a partir de sucessivas divisões celulares, as quais transformam o zigoto em um embrião.

Marcos Oriá, que em 2003 iniciou sua carreira profissional como artista visual, passou, a partir de 2016, a materializar pesquisas nas quais observou que as fases intra e extra uterinas são na verdade uma só, ou seja, um conjunto de transformações da mesma pessoa, que apenas se inicia na fase mórula, mas continua por toda a vida.

Em “Mórulas”, Oriá decidiu sair das telas e do papel convencional para utilizar o papel amassado, que, segundo o artista, representa, ao mesmo tempo, o nascimento (papel), o envelhecimento (amassado), a morte (descarte) e o renascimento (reciclagem) que cada ser humano vive, a cada instante.

Por meio de 26 trabalhos, em acrílica e posca sobre papel amassado, ora em cores exuberantes, ora em preto e branco, Oriá pretende mostrar que desde o útero estamos em incessante transformação orgânica, emocional e espiritual e, ainda, que não somos seres descartáveis, mas recicláveis. A exposição tem apoio do SESC e continua em cartaz até o dia 3/10, da 9h às 16h.

Oriá disse que o contato com as crianças é a melhor parte da exposição. “Falar como é o processo criativo nas artes plásticas, responder suas perguntas sempre originais e escutar suas observações é o que me dá mais prazer e alegria”, disse Oriá.

A professora Luzanira Freitas, que acompanhou os alunos, parabenizou a CEGÁS pela iniciativa. “Participar de uma atividade como essa é muito importante para o processo de aprendizagem das crianças. Eles saem da rotina da sala de aula, estimulam a criatividade e recebem novas informações”, afirmou. A estudante Vivian Pereira afirma que adorou tudo. “A gente sente várias emoções quando ver os quadros. Nos coloridos, eu fiquei alegre. Nos em preto e branco, eu fiquei mais triste”, afirmou.

Além contemplar os quadros, os estudantes também assistiram no auditório do Espaço CEGÁS a uma série de vídeos produzidos por alunos de três escolas públicas de Fortaleza, que participaram de um projeto de audiovisual realizado pelo Cine Ceará, em parceria com a CEGÁS. Trata-se da Oficina de Cinema de Animação Cine Ceará/CEGÁS, fruto de um projeto aprovado pelo PROGRAMA CEGÁS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL.

Meio Ambiente e Gastronomia foram os temas escolhidos para a atividade. Este é o primeiro programa na área do cinema de animação da CEGÁS. Foram três oficinas, cada uma realizada na própria escola dos participantes, durante três dias, totalizando 9 horas/aula. As atividades aconteceram na Escola de Ensino Médio Liceu de Messejana, na Escola de Ensino Fundamental e Médio Iracema e na E.E.M Professora Tecla Ferreira, localizadas no entorno da sede da CEGÁS no bairro José de Alencar.

No total, 60 jovens, sendo 20 de cada escola, tiveram pela primeira vez a oportunidade de participar de uma capacitação técnica, artística e profissional, em animação. As aulas foram conduzidas pelo cineasta Telmo Carvalho, professor do Núcleo de Cinema de Animação (NUCA) da Casa Amarela Eusélio Oliveira, da Universidade Federal do Ceará (UFC).

 “A CEGÁS reafirma que o apoio à cultura, ao esporte e à promoção social são importantes para o desenvolvimento do Ceará, ao mesmo tempo que vê o marketing cultural e esportivo como ferramentas para aproximar a empresa dos seus clientes e da sociedade cearense”, disse Hugo Figueirêdo, presidente da CEGÁS .

 

Fonte: CEGÁS / Comunicação

Related Posts