Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

Petróleo fecha em forte alta, com otimismo sobre recuperação da economia e queda na oferta

Os preços do petróleo fecharam a sessão com ganhos consistentes, acompanhando a demanda por risco nos mercados internacionais. A alta ocorre à medida que mais estados e países flexibilizam medidas de bloqueio adotadas para conter a pandemia da covid-19 e aumentam sua demanda por combustível.

Os contratos futuros do Brent para julho encerraram o dia com ganhos de 2,96%, aos US$ 36,17 o barril, na ICE, em Londres, enquanto os preços do West Texas Intermediate (WTI) para entrega no mesmo mês subiram 3,30%, negociados a US$ 34,35 o barril na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex).

O excesso na oferta global de petróleo tem diminuído nas últimas semanas, dando relativo suporte aos preços.

A recuperação ocorre à medida que motoristas em grande parte do mundo retornam às estradas e evitam o transporte público para impedir a propagação do coronavírus. Espera-se que mais Estados americanos e países flexibilizem suas restrições nas próximas semanas, ampliando o otimismo sobre uma recuperação contínua da demanda.

Os sinais de recuperação da demanda de petróleo também são acompanhados pela queda da oferta. Empresas de todo o mundo responderam aos preços mais baixos fechando poços produtivos e reduzindo a produção, dando suporte aos preços.

“O mercado de petróleo deve chegar a um equilíbrio em breve, com oferta prevista para atender à demanda”, disse Bjornar Tonhaugen, diretor de mercados de petróleo da consultoria Rystad Energy, em nota.

“A oferta e a demanda estão indicando uma tendência de alta para os preços, com estimativas recentes citando uma queda de 13 a 15 milhões de barris por dia em termos de produção global”, disse Robbie Fraser, analista de commodities da Schneider Electric.

Hoje, o ministro da Energia da Rússia, Alexander Novak, disse durante uma videoconferência recente que o ministério da energia espera uma demanda maior para equilibrar o mercado nos próximos meses. A Rússia faz parte de um acordo histórico alcançado no mês passado, pelo qual muitos grandes produtores acertaram uma diminuição na produção para conter a queda nos preços da commodity.

“Ainda assim, a queda repentina na demanda devido à covid-19 foi o que originalmente causou a queda dos preços do petróleo, e uma recuperação sustentada dos preços acabará por precisar da volta dessa demanda”, disse Fraser.

“As semanas recentes forneceram indicações claras de que a demanda se recuperou dos mínimos estabelecidos em abril, mas a maioria dos países permanece significativamente abaixo dos níveis anteriores à pandemia”, completou.

Fonte: Valor Online

Notícias relacionadas