Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3995-4325

Petróleo fecha no maior nível em 3 meses com cortes de produção no radar

Os preços do petróleo ganharam tração nesta terça-feira (02) e fecharam no maior nível desde o início de março. O otimismo foi impulsionado por notícias de que os principais produtores de petróleo do mundo planejam estender seus atuais cortes de produção para além do que está estipulado atualmente, do fim de junho para até o dia 1º de setembro.

Na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex), os contratos futuros do West Texas Intermediate (WTI) para o mês de julho encerraram a sessão com ganhos de 3,86%, a US$ 36,81 o barril. Na ICE, em Londres, os preços do Brent para entrega em agosto subiram 3,26%, aos US$ 39,57 o barril.

A Opep+ estão chegando a um acordo para estender os cortes na produção coletiva até 1º de setembro e planejam discutir as restrições de produção durante uma reunião por teleconferência na quinta-feira (04).

“Se houver dois ou mais meses de prorrogação, os preços do petróleo poderão aumentar seus ganhos, com o petróleo Brent provavelmente subindo para US$ 40 a US$ 45 por barril”, disse Fawad Razaqzada, analista

de mercado da ThinkMarkets. “No entanto, uma extensão de um mês pode não causar muita resposta positiva, pois isso provavelmente decepcionará as expectativas.”

“De qualquer forma, a Opep+ continuará seu compromisso de reduzir a produção para sustentar preços mais altos. Se alguns membros não concordarem com os cortes, os preços do petróleo poderão sofrer uma nova pressão de venda em breve”, afirmou.

Há evidências de que os cortes na produção da Opep + foram eficazes, com a produção russa caindo para 9,39 milhões de barris por dia no mês passado, próximo à meta do cartel e seus aliados, informou a Reuters, citando um relatório da agência de notícias Interfax. A produção da Rússia caiu de 11,35 milhões de barris por dia em abril, informou a agência de notícias, citando fontes familiarizadas com o assunto.

“Uma extensão dos atuais níveis de corte será definitivamente um novo impulso para o mercado. Não apenas o mercado se reequilibrará, mas a produção de petróleo também sentirá algum alívio ”, escreveu Bjornar Tonhaugen, chefe dos mercados de petróleo da Rystad Energy, em nota.

“Para impulsionar os preços, os cortes da Opep + também têm ajuda sólida da recuperação da demanda de petróleo bruto, especialmente na Ásia”, afirmou.

Fonte: Valor Online

Related Posts