Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Petróleo avança, com parte da produção no Golfo do México paralisada

Os contratos futuros de petróleo fecharam a terça-feira (27) com ganhos, à medida que outra grande tempestade deve afetar a produção no Golfo do México. Investidores, no entanto, ainda demonstram preocupação com o impacto sobre a demanda do aumento dos casos de covid-19 nos países desenvolvidos.

Os contratos futuros do West Texas Intermediate (WTI) para dezembro encerraram a sessão em alta de 2,61%, a US$ 39,57 o barril, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex). Já os futuros do Brent para o mesmo mês subiram 1,82%, a US$ 41,20 o barril, na ICE, em Londres.

“Quando a demanda de petróleo está estagnando, a única maneira de os preços ganharem terreno é um choque na oferta” e a nova tempestade que se dirige para a costa do Golfo dos Estados Unidos forneceu exatamente isso, disse Paola Rodriguez-Masiu, analista sênior de mercados de petróleo da Rystad Energy, ao MarketWatch.

Paradas de produção relacionadas a furacões “ajudam a muito no curto prazo”, embora “quando o clima acalmar, não deve demorar muito para um retorno a um mercado mais deprimido”, disse. “No momento, porém, para os caçadores de pechinchas de curto prazo, 16% da produção de petróleo do Golfo foi fechada e isso ajuda os preços.”

O Bureau de Segurança e Fiscalização Ambiental informou que 15,87% da produção de petróleo do Golfo e 6% da produção de gás natural na região foi paralisada ontem.

A tempestade tropical Zeta está se movendo em direção à Costa do Golfo dos Estados Unidos após atingir a Península de Yucatán, no México, como um furacão de categoria 1. A tempestade deve se transformar em um furacão, ameaçando atingir a Costa do Golfo na quarta-feira, de acordo com o Centro Nacional de Furacões.

“Dada a trajetória da tempestade, é provável que vejamos mais produção encerrada nos próximos dias”, disse Warren Patterson, chefe de estratégia de commodities do ING. “Embora isso possa oferecer algum suporte ao mercado à medida que avançamos ao longo da semana, claramente o foco provavelmente permanecerá nos desenvolvimentos da covid-19”, afirmou.

Os preços do petróleo registraram uma “queda séria” na segunda-feira, com os traders precificando fortemente a piora da pandemia, disse Rodriguez-Masiu. “O número crescente de infecções, bloqueios e restrições de viagens é uma séria ameaça para a viabilidade do preço do mercado de petróleo e a situação no momento parece mais pessimista do que o contrário”.

Vários países europeus impuseram restrições mais rígidas à atividade em um esforço para conter o vírus. Os EUA tiveram em média 71 mil novos casos por dia na semana passada, o maior número em um período de 7 dias desde o início do surto, segundo o New York Times.

Enquanto isso, os investidores de petróleo aguardam os dados semanais sobre a oferta de petróleo dos EUA do Instituto de Petróleo Americano (API, na sigla em inglês), que devem ser divulgados após o fechamento dos mercados hoje.

Amanhã, o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) divulga os dados semanais de estoques de petróleo nos Estados Unidos. Analistas consultados pelo “The Wall Street Journal” esperam alta de 800 mil barris de petróleo e uma queda de 400 mil barris nos estoques de gasolina.

Fonte: Valor Online

Related Posts