Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Botijão de gás custa 9% do salário mínimo pela 1ª vez em 13 anos

Os brasileiros que precisaram substituir o botijão de 13 kg de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) para cozinhar na semana passada tiveram que desembolsar, em média, R$ 98,67, de acordo com dados da ANP.

O valor corresponde a 8,97% do salário mínimo de R$ 1.100 e equivale ao maior percentual em comparação com o piso da remuneração oferecida aos trabalhadores desde o início de 2008, segundo informações compiladas pelo site Observatório Social da Petrobras.

Caso o reajuste de 7,2% no preço do gás de cozinha anunciado pela Petrobras nas refinarias seja repassado integralmente aos consumidores, o valor médio cobrado pelo botijão de 13 kg pode chegar a R$ 105,80 e se aproximar de 10% do salário mínimo, o que não ocorre desde março de 2006.

Os dados da ANP, no entanto, mostram que o valor cobrado pelo botijão já é encontrado por mais de 10% do salário mínimo em todas as regiões do Brasil. No Norte, Sul e Centro-Oeste, o preço máximo supera R$ 130 ou mais de 11% da remuneração mínima dos brasileiros.

O levantamento do Observatório Social da Petrobras também compara o atual salário mínimo com a variação de outros combustíveis. Para a gasolina, a trajetória de alta iniciada em junho de 2020 foi mantida e o ato de abastecer 100 litros do combustível custa hoje mais de R$ 600, o equivalente a mais da metade (55%) do salário mínimo.

Já no caso do diesel e do etanol, que também seguem em alta nos últimos meses, um abastecimento de 100 litros custa, com ambos os combustíveis, 43% da remuneração mínima paga aos profissionais no Brasil, Já para os motoristas que usam o GNV (Gás Natural Veicular), o desembolso para cada 100m² representa 38% do mínimo.

 

Fonte: R7

Related Posts