Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Sem infraestrutura não teremos gás para a reindustrialização

 

Em artigo publicado no portal Poder 360, o diretor do CBIE, Adriano Pires, afirma que

É cada vez mais evidente a necessidade de infraestrutura de transporte e escoamento de gás natural para o desenvolvimento do mercado doméstico do combustível no Brasil. Planejadores e reguladores do setor sabem que o gás é a alternativa de combustível fóssil menos poluente e altamente eficiente, com o potencial de desempenhar um papel fundamental na transição energética nacional e na reindustrialização.

O Brasil tem grandes reservas de gás natural. São ao todo 381 bilhões de m³ de reservas provadas em 2021. Do total, 304 bilhões de m³ encontram-se no mar e os 77 bilhões restantes, em terra.

Para transformar essas reservas em produção, um dos principais desafios é construir uma infraestrutura robusta. Isso envolve a construção de gasodutos e UPGNs para o processamento de gás natural. Essas obras são essenciais e vão permitir a interiorização do gás natural, a redução dos volumes de reinjeção e mesmo uma redução no preço da molécula.

A fim de dimensionar o baixo alcance da rede de gasodutos doméstica, pode-se tomar como comparativo o desenvolvimento da malha de gasodutos de transporte na Argentina, país vizinho com cerca de 1/3 da extensão territorial do Brasil. Enquanto o maior país da América do Sul conta com só 9.400 km, a Argentina tem 16.400 km. No caso do argentino, o gás natural exerceu um importante papel no processo de industrialização do país –uma posição similar à necessária para o processo de reindustrialização brasileira.

No Outlook 2023 do CBIE Advisory mostramos que durante 2022 o Brasil reinjetou, em média, 50% da sua produção total de gás natural. Em termos absolutos, esse valor representa aproximadamente 68,4 milhões de m³/dia, quase 2 vezes maior que a média de importação no mesmo ano, de só 24,04 milhões de m³/dia.

Basta analisar os números de 2022 para notar o desequilíbrio na conjuntura atual das cadeias de produção domésticas. A realização de investimentos efetivos no escoamento da produção pode eliminar a necessidade de importação do país e, até mesmo, nos tornar um exportador líquido de gás natural.

Ainda de acordo com o Outlook 2023, o valor gasto com importações de Gás Natural Liquefeito (GNL), de maio a dezembro de 2022, seria suficiente para construir importantes gasodutos de escoamento previstos no Plano Indicativo de Processamento e Escoamento de Gás Natural (Pipe). É o caso da Rota 4, que demandaria investimentos da ordem de US$1 bilhão em valores atualizados. Esse projeto teria capacidade de escoar cerca de 20 milhões de m³/dia de gás natural, aumentando a oferta e, consequentemente, viabilizando melhores preços.

Com a expansão das infraestruturas essenciais cria-se condições para o aumento da oferta, preços mais baixos da molécula, interiorização do gás, criação de renda e emprego, ajudando na reindustrialização do país.

Nesse sentido, o aperfeiçoamento do arcabouço regulatório também é essencial para comportar uma nova dinâmica entre agentes de mercado. Atualmente, o segmento de gás natural no país ainda é fragmentado e pouco desenvolvido, limitando a entrada de novos players e impedindo a criação de uma cadeia mais robusta e eficiente.

Com a infraestrutura adequada, seria possível integrar as diversas regiões produtoras e consumidoras do país. Novos projetos de infraestrutura, tal como o Gasoduto Rota 3, que já está em andamento, são fundamentais para o desenvolvimento do mercado nacional de gás natural. Tais projetos só sairão do papel com a criação de políticas públicas, como as anunciadas pelo governo na reunião do CNPE, no lançamento do Programa Gás para Empregar.

Fonte: Poder 360