Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

Consumo de gás para térmicas cresce 48,2% em janeiro

Despacho de mais térmicas no mês justificou aumento no consumo do insumo para geração de energia

O despacho de mais termelétricas em janeiro deste ano resultou no aumento de 48,2% do consumo de gás natural para geração de energia, na comparação com o mês anterior, ao passar de 10,9 milhões de m³/dia para 16,1 milhões de m³/dia. Na comparação com janeiro do ano passado, no entanto, o consumo térmico de janeiro ficou 25% abaixo do verificado no mesmo mês de 2018, de acordo com dados da Abegás, divulgados nesta segunda-feira (25/3).

O consumo do país como um todo cresceu 13,4% em janeiro frente a dezembro, ao sair de 49,4 milhões de m³/dia para 56 milhões de m³/dia. Porém, no comparativo com janeiro de 2018, houve redução de 7,9%.

No segmento industrial, que é o maior consumidor de gás ao lado das térmicas, houve elevação de 7,5% em janeiro deste ano frente a dezembro de 2018, ao passar de 26,1 milhões de m³/dia para 28 milhões de m³/dia. Quando comparado com o primeiro mês do ano passado, a variação positiva foi de 3,1%.

O segmento automotivo, por sua vez, interrompeu trajetória de crescimento e registrou redução de 7,9% em janeiro deste ano na comparação com o mês anterior. O volume de gás destinado para o mercado automotivo passou de 6,7 milhões de m³/dia para 6,1 milhões de m³/dia.

Residencial tem queda

A classe residencial também registrou queda, de 29%, no consumo de gás em janeiro frente a dezembro, ao passar de 1,2 milhão de m³/dia para 833 mil m³/dia. Na comparação com janeiro de 2018, quando foram consumidos 967 mil m³/dia, a redução chega a 13,85%.

No comercial, a variação negativa foi de 2,43%, passando de 840 mil m³/dia, em dezembro, para 820 mil m³/dia em janeiro. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, a elevação foi de 9%. Já a cogeração apresentou redução de 15% em janeiro de 2019 frente ao último mês de 2018, alcançando 2,5 milhões de m³/dia. Na comparação com o primeiro mês do ano passado, a queda foi de 15,3%.

 

Fonte: Brasil Energia

Notícias relacionadas

Deixe uma resposta

Você deve ser logado postar um comentário.