Av. Ataulfo de Paiva, 245 - 6º andar - Salas 601 a 605 – Leblon/RJ – CEP: 22440-032
+55 21 3995-4325

Brazilian industry leery of shift to open gas market

Indústria brasileira está ‘desconfiada’ de mudança para mercado de gás aberto

Os altos níveis de incerteza regulatória sobre a abertura do mercado de gás natural no Brasil fazem com que alguns usuários industriais de gás natural se voltem para uma fonte de combustível totalmente diferente: a biomassa.

No estado de São Paulo, a operadora de gasóleo Naturgy disse ter recebido cinco consultas de consumidores industriais sobre deixar a distribuidora para buscar contratos no mercado aberto de gás quando ele entrar em vigor em janeiro de 2022. Mas apenas dois realmente fizeram a mudança – um sinal dos consumidores ‘aversão ao risco à abertura de mercado, de acordo com a Naturgy.

As incógnitas do novo mercado, juntamente com os elevados custos do gás natural, fizeram com que alguns consumidores industriais ponderassem uma possível mudança para materiais de queima de biomassa, como a colheita da cana-de-açúcar e resíduos de moagem como combustível de usina. Alguns já fizeram a mudança. Quatro clientes da Naturgy mudaram de gás canalizado para biomassa nos últimos sete anos, reduzindo a demanda de gás em 11 milhões de m³ / mês. O consumo de gás da Naturgy no estado de São Paulo foi em média 887.000 m³ / d até agora este ano.

A alta demanda de energia térmica neste ano aumentou a dependência do país nas importações de GNL, e os preços saltaram para um recorde de US $ 24,09 mmBtu, ante a baixa de março de US $ 5,14 milhões.

Os consumidores de energia industrial estão minimizando o uso de gás caro, o que cortou sua produção de energia de cogeração e os forçou a comprar mais eletricidade da rede elétrica, de acordo com o presidente da associação de cogeração de energia Cogen, Newton Duarte. Os preços elevados do gás natural também levaram as operações de cogeração a usar mais biomassa em relação ao gás natural, disse Duarte.

Mas a passagem do gás natural para a biomassa não é uma tendência clara na distribuidora de gás canalizado GasBrasiliano, também em São Paulo. Uma colheita menor de cana-de-açúcar e a forte seca em curso no Brasil levaram à escassez de biomassa, disse o presidente-executivo da empresa, Alex Gasparetto. “Isso trouxe oportunidades de negócios para a GasBrasiliano, com o aumento do gás canalizado e a perspectiva de expansão do volume de gás distribuído”, disse Gasparetto. Outros possíveis combustíveis alternativos de geração incluem GLP e carvão, embora também apresentem desvantagens como altos custos e risco ambiental.

As regras de migração de um contrato de gás cativo com uma distribuidora local para o mercado aberto variam em cada estado. Em São Paulo – que consome quase um quarto do gás brasileiro – os clientes devem avisar seu distribuidor com seis meses de antecedência da intenção de se desligar.

Grandes consumidores de gás, como a siderúrgica Gerdau e a produtora de fertilizantes Unigel, fecharam negócios no mercado aberto, e as distribuidoras de gás estão fechando negócios por meio de licitações públicas para fornecimento em 2022. Mas a incerteza permanece para médias e pequenas empresas.

“Há muitas dúvidas em relação à passagem da distribuição para o mercado livre”, disse Marcelo Mendonça, diretor de estratégia e mercado da Abegás. “É preciso transparência para que o consumidor de gás esteja ciente dos riscos”. Os consumidores estão particularmente preocupados com o fato de que o novo mercado não incorpora mais custos em um único preço do gás. Os consumidores agora arcam com os riscos de custo de transporte e distribuição, não a Petrobras ou uma empresa de distribuição, disse Mendonça.

“Precisamos ter certeza de que o consumidor cativo de gás não subsidia os consumidores livres”, disse. “As regras não são muito claras”.

Algumas regras ainda estão pendentes. Em pelo menos dois estados, São Paulo e Rio de Janeiro, os distribuidores locais podem aumentar as tarifas apenas uma vez por ano. Os regulamentos estaduais ainda precisam determinar como os distribuidores podem repassar os custos acumulados ao longo do ano, incluindo os preços do gás flutuantes e custos de transporte, bem como os clientes que abandonam o gás por biomassa ou outras alternativas.

 

Fonte: Argus Media

Related Posts