Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3995-4325

Com novos recordes de consumo, importação de energia deve subir

O balanço de trocas de energia com países vizinhos poderá se tornar mais desfavorável caso o consumo siga em alta e as chuvas não sejam volumosas nos próximos meses.

O saldo líquido do intercâmbio de energia com outras nações no ano passado foi negativo em 1.136 GWh, de acordo com o ONS (Operador Nacional do Sistema). O número representa aumento de 28% em relação a 2017.

O consumo em 2019 tende a crescer. O operador apontou dois recordes sucessivos de pico de uso: o primeiro na terça-feira (15), e o segundo na quarta-feira (16) —às 15h34, a demanda foi de 87.183 MW.

A máxima anterior havia sido registrada em 2014.

Os recordes geralmente estão associados aos aparelhos de ar condicionado no auge do verão, segundo Thais Prandini, diretora-executiva da consultoria Thymos.

“Há também uma retomada da carga em 2019, que cresceu em um ritmo muito lento nos últimos anos e, agora, está mais acelerada.”

A região Sudeste do país é onde houve a maior frustração com o volume de chuvas, segundo Walfrido Avila, presidente da Tradener, comercializadora que compra energia do Uruguai.

“Se a afluência não melhorar, haverá mais importação, mas se o regime de águas voltar ao normal, não.”

A curto prazo, outro efeito da combinação de volume de chuvas menor e aumento do consumo deverá ser o acionamento de usinas térmicas (opção mais cara), de acordo com Sandro Saggiorato, gerente de risco da Electra Energy.

”A médio prazo, a oferta de geração deve aumentar proporcionalmente à carga.”

 

Fonte: Folha de S.Paulo / coluna Mercado Aberto

Related Posts

Leave a reply

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.