Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

Projeto prevê térmica em Itaboraí para absorver gás do pré-sal

O Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento do Leste Fluminense (Conleste) e a D Energy Brasil – um conglomerado de empresas brasileiras – pretendem instalar uma usina termelétrica (UTE) em Itaboraí (RJ) para aproveitar o gás natural produzido no pré-sal.

O plano é aproveitar a  infraestrutura de escoamento  do energético a partir do gasoduto Rota 3, cujos trechos ultrarraso e terrestre estão sendo finalizados pela McDermott e o consórcio Encalso/Concremat, respectivamente.

Com início de operação planejado para 2021, a UTE Pedra Bonita terá capacidade instalada de 1,5 GW. O objetivo será negociar energia tanto no mercado cativo (regulado), via leilões da Aneel, como no ambiente de contratação livre (ACL).

O investimento estimado no projeto, cujo desenvolvimento conta ainda com o apoio da Qatar Energy, será de US$ 1,5 bilhão, gerando aproximadamente 10 mil empregos diretos.

 “O projeto está em momento de apresentação institucional. Considerando a pujança do gás que vai jorrar da UPGN, ele é um derivativo natural, uma consequência natural disso”, observa o diretor-geral do ConLeste, João Leal.

O executivo está otimista com o aumento da disponibilização de gás natural após a conclusão da UPGN. A construção da unidade é feita pelo consórcio Kerui-Método, que estará presente no Ita Gas&Oil, nos próximos dias 24 e 25, em Itaboraí.

Outros projetos

Em junho, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, revelou que a companhia analisa a possibilidade de construir uma termelétrica a gás no Comperj.

““Estamos estudando uma ideia de construção de uma grande termelétrica a gás a partir do Comperj paralelamente ao memorando de entendimentos com a CNPC”, afirmou Castello Branco, durante audiência na Câmara dos Deputados.

João Leal conta que conversou com a Petrobras sobre o projeto. “Seja qual for a decisão da Petrobras, o fato é que há espaço para mais de uma térmica na região, tendo em vista o aumento da oferta de gás do pré-sal nos próximos anos.

O cenário já motivou o desenvolvimento de outros projetos no estado. Em Macaé, uma joint venture formada pelo Pátria Investimentos, Shell e Mitsubishi Hitachi Power Systems construirá uma usina com 565 MW de capacidade instalada, suficiente para abastecer 2,5 milhões de pessoas. Programada para entrar em operação em 2023, a usina receberá aportes de aproximadamente US$ 700 milhões

No Porto do Açu, em São João da Barra, a GNA Açu (BP, Prumo Logística e Siemens) investe no desenvolvimento de um hub de gás natural e industrial, com aportes da ordem de R$ 8 bilhões em duas UTEs e um terminal de GNL. A primeira usina está em construção, e seu início da operação é esperado para 2021. A unidade terá capacidade instalada de 1,338 mil MW, com abastecimento de GNL importado que será fornecido pela BP. Mas a expectativa é utilizar também o gás do pré-sal.

“Esperamos que a demanda futura possa atrair uma rota de gás para Porto do Açu. Os empreendimentos em termelétricas serão âncora para desenvolvimento e vetor para a monetização do gás do pré-sal”, afirmou o presidente da empresa, Bernardo PersekePerseke, durante apresentação na Brasil Offshore, no fim de junho.

 

Fonte: Brasil Energia

Notícias relacionadas