Av. Alm. Barroso, 52 - sl 2002 - Centro- RJ
+55 21 3970-1001/3970-1008

Argentina se mobiliza para exportar gás para o Brasil, diz secretário

O secretário de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Félix, disse nesta quarta-feira (14) que empresários argentinos estão se movimentando para exportar gás natural para o Brasil.

“As coisas estão acontecendo numa velocidade que a gente não dá conta de acompanhar. Mas existe um movimento por parte da indústria argentina, do governo argentino, de viabilizar a conexão com o Brasil, pelo gasoduto entre Uruguaiana (RS) e Porto Alegre (RS)”.

Ele mencionou que a inciativa privada do país vizinho está construindo um gasoduto para escoar a produção da área de gás não convencional de Vaca Muerta até Buenos Aires. Esse projeto deve reduzir a demanda argentina por gás boliviano, o que tem potencial para mexer nos preços do gás que o Brasil importa da Bolívia.

“A Argentina já exportou sua primeira carga de gás natural liquefeito (GNL) e pode ter uma sobra de 20 milhões de metros cúbicos diários (m3/dia) em determinadas épocas do ano [para exportar]. O destino mais fácil é vir para o Brasil”, comentou.

Do lado brasileiro, a Transportadora Sulbrasileira e Gás (TSB) opera um gasoduto que liga a Argentina a uma termelétrica em Uruguaiana (RS), mas tem um projeto para construção de um gasoduto entre Uruguaiana e Porto Alegre, de 615 quilômetros de extensão.

A TSB é uma empresa da Petrobras, Ipiranga Produtos de Petróleo, Repsol e Total, cada uma com 25% de participação. Segundo Félix, o novo cenário de integração pode estimular a entrada de novos investidores privados no projeto da TSB.

“Já vejo movimento nesse sentido [para construção do gasoduto]”, disse.

Questionado se as eleições presidenciais argentinas podem comprometer a integração com o Brasil, Félix disse que o pleito lança “novos desafios” ao projeto. Outra opção seria a Argentina exportar para o Brasil via gás natural liquefeito (GNL).

“É uma questão de necessidade para a Argentina [buscar novos mercados]”, comentou.

Espaço para importação

O presidente da Shell no Brasil, André Araújo, disse que a companhia vê espaço para fornecer gás natural ao mercado brasileiro não só a partir de suas reservas no país, mas também a partir de importação do produto.

“Estamos olhando todas as opções. A Shell é um grande player mundial em gás e tem interesse em aproveitar as oportunidades.

Isso serve para gás oriundo da Bolívia, eventualmente, futuramente, da Argentina, do nosso próprio gás do Brasil ou GNL [gás natural liquefeito]”, disse durante o seminário do IBP, ao ser questionado se a empresa prevê trazer parte de sua produção na  Bolívia para o Brasil.

Nesta semana, a Shell avançou para a terceira fase da chamada pública coordenada pelas distribuidoras de gás canalizado MSGás (MS), Gas Brasiliano (SP), Compagas (PR), SCGás (SC) e Sulgás (RS). As concessionárias entraram em negociações finais com os potenciais fornecedores para contratação de gás a partir de 2020, por meio do gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol).

A lista de empresas que negociam com as cinco companhias inclui a Shell, a Petrobras, a Total e a boliviana YPFB.

A Shell está num momento de expansão de suas atividades no Brasil, para além do setor de petróleo e biocombustíveis, e tem interesse em fortalecer sua posição nos setores de energia elétrica e gás natural.

Em fevereiro, a empresa anunciou a sua estreia no setor de energia, no Brasil, ao entrar com uma fatia de 29,9% no consórcio responsável pela construção da termelétrica a gás de Marlim Azul (565 megawatts), em Macaé (RJ), ao lado do Pátria Investimentos e da Mitsubishi. A unidade consumirá o gás da Shell do pré-sal.

Nesta quarta, o presidente da companhia anunciou ainda uma nova descoberta no pré-sal da Bacia de Santos.

Fonte: Valor Online

Notícias relacionadas